COMO SE CONSTRÓI EM NOSSA CIDADE E PROXIMIDADES?



A figura acima demonstra o resultado de uma pesquisa realizada na cidade local.

Ainda foi apresentado a realidade local das construções e reformas no tocante à utilização de mão de obra especializada para supervisão.

O percentual de 82% de entrevistados que sinalizaram já terem construído ou reformado um imóvel, 74% não utilizaram mão de obra especializada (engenheiros, arquitetos, dentre outros), apenas 26% utilizaram um supervisor técnico como apresentado.

A grande maioria, segundo a própria pesquisa, não utiliza uma supervisão técnica pelo alto custo ou julga desnecessário por entender que ela própria ou pessoas próximas serão capazes de supervisionar.

Pode-se dizer ainda que, baseados nos dados, há um grau de satisfação bastante elevado quando se utiliza um profissional qualificado para supervisionar.

O grau 1 e 2 (muito insatisfeito e insatisfeito), não aparecem quando o serviço é realizado com supervisão. Observe também que quando não há supervisão o percentual de satisfação máxima, grau 5 (muito satisfeito), esse percentual é de 4%, mas quando há supervisão este percentual sobe para 42%. O grau de satisfação, grau 3 (indiferente), considera-se igual nos dois casos.

Assim e visto na abaixo, que a grande maioria precisamente 77,6% dos sujeitos entrevistados tiveram alguma falha no processo de execução em suas edificações principalmente na etapa de concepção, etapa essa feita por pedreiros.


É notado uma questão contraditória na pesquisa, a grande maioria não utilizou um profissional com conhecimento técnico para supervisionar a obra, mas julga necessário utilizá-lo, como pode concluir com a imagem abaixo.



Analisando a pesquisa como um todo, isso acontece comumente por arrependimento de quem não a utilizou e por aqueles que jugam necessário mais agrediam não ter poder financeiro suficiente.




CONCLUSÃO


Informações valiosas foram obtidas através do estudo da referida pesquisa, visto que o conhecimento das manifestações patológicas é de suma importância no ramo da construção civil.

Pode-se concluir a carência de profissionais capacitados para executar e supervisionar obras.

Observa-se dos resultados apresentados que as causas das manifestações patológicas mais impactantes, foram geradas por falta de observação de pequenos detalhes construtivos e normativos. Como a não observância das normas e das técnicas construtivas gerando assim prejuízos financeiros e grandes atrasos no cronograma da obra .

Pode se afirmar que a maioria das patologias que ocorrem pode ser evitadas, encontradas e solucionadas antes de tomarem maiores dimensões, diminuindo a área afetada e consequentemente os custos de correção caso haja uma fiscalização proativa abrangendo todas as etapas com um efetivo controle do processo construtivo.

Segundo relatos dos proprietários o atraso e o custo gerados pelas patologias são fatores que começam a ser tão preocupante que fazem alguns deles deixarem de investir na área de construção civil.

Com analise do conjunto de dados obtidos na pesquisa, ficou claro que o fator responsável por normalmente não se ter esse tipo de profissional na obra é a questão financeira, ainda através dos dados coletados foi notado a satisfação de quem utiliza gestor técnico e a ocorreria de problemas excecutivos em sua falta, sendo assim acredito que o presente trabalho seja uma importante ferramenta de alerta para demostrar a necessidade de profissionais responsáveis com conhecimento técnico na frente de todo o processo executivo de uma dada obra, sendo esse profissional essencial para o equilíbrio entre custo, prazo e qualidade, que todos almejam ter em uma obra.


84 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo